Crise econômico-financeira mundial de 2008: contexto e efeitos sobre o setor da construção civil no Brasil (2003/2011)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v5.n1.107
Abstract views: 422 / PDF downloads: 264

Palavras-chave:

Brasil, Crise, Financeirização, Construção civil., Políticas públicas

Resumo

Com a ascensão do neoliberalismo a partir da década de 1990, os movimentos de desregulamentação dos mercados avançaram. Nesse contexto, recrudesceu um processo denominado de “financeirização” aliando desregulamentação do sistema financeiro com inovações financeiras. Estas caracterizaram o cenário econômico em que se evidenciou uma crise originada no mercado imobiliário nos Estados Unidos (EUA) a partir de 2008, a chamada crise do subprime. O crédito facilitado e os investimentos incertos elevaram a crise estadunidense à categoria de crise econômico-financeira mundial. Diversos setores brasileiros foram atingidos pela crise, dentre eles o da construção civil. Assim, nesta pesquisa objetiva-se entender o panorama no qual a crise surgiu, sua amplitude e as políticas anticíclicas instituídas para minimizar os seus efeitos na construção civil. Metodologicamente, desenvolveu-se uma pesquisa qualitativa, via análise de estatística descritiva fundamentada por dados oficiais e bibliografia provinda de fontes secundárias. Utilizou-se o método indutivo para sustentar a argumentação. Conclui-se que é importante compreender as causas e os efeitos da crise econômico-financeira sobre a construção civil, de modo que subsidie a elaboração de políticas públicas ativas diante de outras crises que venham a ocorrer. Destarte, sugere-se que o Estado deve atuar no sentido de fomentar o setor contra os efeitos das crises.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Vargas, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil

Professor Adjunto A no Departamento de Ciências Econômicas (DECON) e no Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas (PPGPP) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Pesquisador na FAPEPI/SEPLAN/Governo do Estado do Piauí. Doutor em Ciências Econômicas (2020) pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Ciências Econômicas (2015) e Bacharel em Ciências Sociais (2016) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Bacharel em Ciências Econômicas (2012) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bacharel e Licenciatura em Educação Física (2007) pela Universidade de Caxias do Sul. MBA em Gestão Estratégica em Comércio Exterior (2017) pela Universidade Candido Mendes. Tem interesse na área de Ciências Econômicas, com ênfase em Teoria Econômica (Macrodinâmica), Economia Política, História Econômica, Economia Internacional e Economia do Trabalho. Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica (ABPHE). Editor-chefe da revista INFORME ECONÔMICO (UFPI) (ISSNe 2764-1392) e coordenador do Grupo de Pesquisa em Economia do Trabalho (GPET) (certificado pelo CNPq).

Marcus Elany Gomes de Oliveira, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Referências

ABIKO et al. Setor de construção civil: segmento de edificações. Estudos Setoriais, n. 5, Brasília, 2005. Disponível em: http://acervodigital.sistemaindustria.org.br/handle/ uniepro/147. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

ABRAMAT; FGV PROJETOS. A cadeia produtiva da construção e o mercado de materiais. Infografe, 2007. Disponível em: http://www.abramat.org.br/datafiles/ publicacoes/estudo-cadeiaprodutiva.pdf. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

AFP. Há 10 anos, crise financeira de 2008 arrasava a economia mundial: dez anos depois da crise financeira, o crescimento está de volta em focos isolados e as economias emergentes ainda permanecem frágeis. EXAME, Economia, 14 set. 2018.

BNDES. 9. Construção civil no Brasil: investimentos e desafios. Dulce Corrêa Monteiro Filha; Ana Cristina Rodrigues da Costa; João Paulo Martin Faleiros; Bernardo Furtado Nunes (Orgs.). In: Perspectivas do Investimento 2010-2013 (março/2010).


CADERNO SETORIAL ETENE DO BNB. Panorama do setor da construção – outubro/2018. Indústria da construção civil, ano 3, n. 50, nov. 2018. Disponível em: https://www.bnb.gov.br/documents/80223/4141162/50_construcao.pdf/ 714a4956-1149-1bcc-5e79-1c1e61b945b5. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

CARVALHO, F. C. Entendendo a recente crise financeira global. In: Dossiê da Crise. Associação Brasileira Keynesiana, 2008. Disponível em: https://silo.tips/download/ entendendo-a-recente-crise-financeira-global. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

CBIC. Banco de dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Brasília: 2020. Disponível em: http://www.cbicdados.com.br. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

DIEESE. Estudo setorial da construção civil. Estudos e pesquisas, n° 51, maio 2010. Disponível em: https://www.dieese.org.br/estudosepesquisas/2010/ estpesq51ConstrucaoCivil.pdf. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

FERRAZ, F. C. Crise financeira global: impactos na economia brasileira, política econômica e resultados. Dissertação (Mestrado em Economia). 104f. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

FERREIRA, L. M.; SILVA, G. J. C. Impactos da crise do subprime nos setores automobilístico e da construção civil do Brasil: uma análise empírica a partir de vetores autorregressivos (2003-2009). Revista Economia Ensaios, Uberlândia (MG), 26 (1), p. 85-106, Jul./Dez. 2011.

FISHLOW, A. Na esteira da grande recessão: guia para os perplexos. In: BACHA, E. L.; BOLLE, M. Novos dilemas da política econômica. Ensaios em homenagem a Dionísio Carneiro. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

GREENSPAN, A. A era da turbulência: aventuras em um novo mundo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Anual da Indústria da Construção – PAIC. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/ industria/9018-pesquisa-anual-da-industria-da-construcao.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

_______. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/home/pmc/brasil. Acesso em: 9/1/2021.

JAEGER, R. A. All About Hedge Funds: The Easy Way to Get Started. New York: Ezra Zask, 2013.

LIMA, T. D.; DEUS, L. N. A crise de 2008 e seus efeitos na economia brasileira. Revista Cadernos de Economia, Chapecó, v. 17, n. 32, p. 52-65, jan. / jun. 2013.

MICHELETTI, B. F. A crise das hipotecas subprime nos EUA e os seus desdobramentos. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Econômicas). 43f. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

MILL, A. Tudo o que você precisa saber sobre economia. Tradução de Leonardo Abramowicz. São Paulo: Editora Gente, 2017.

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. PAC – Medidas Institucionais. Brasília: PAC, 2020. Disponível em: http://pac.gov.br/sobre-o-pac/medidas. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

MINSKY, H. Financial crises: systemic or idiosyncratic. Working Paper n. 51. New York: The Levy Economics Institute, 1991.

_______. The financial instability hyphothesis. Working Paper n. 74. New York: The Levy Economics Institute, 1992.

_______. Stabilizing an stable economy. New York: McGraw-Hill Companies, 2008.

PELLEGRINI, M. Regulação financeira falha criou mecanismos da crise de 2008. AGÊNCIA USP, 27 out. 2011. Disponível em: https://www5.usp.br/1999/regulacao-financeira-falha-criou-mecanismos-da-crise-de-2008/. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

PINTO, E. C. A Crise Americana: Dívida, Desemprego e Política. IPEA: Boletim de Economia e Política Internacional, n.8, Out./Dez. 2011.

ROHAN, U.; FRANÇA, S. L. B. Análise das tendências da indústria da construção civil frente à sustentabilidade nos negócios. In: IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO - 20, 21 e 22 de junho de 2013.

ROUBINI, N.; MIHM, S. A economia das crises: um curso-relâmpago sobre o futuro do sistema financeiro internacional. Rio de Janeiro: Intrínseca, Edição do kindle, 2014.

SANTOS, A. M. S. P.; DUARTE, S. M. Política Habitacional no Brasil: uma nova abordagem para um velho problema. In: Octavio Augusto Fontes Tourinho; Léo da Rocha Ferreira; Luiz Fernando de Paula. (Org.). Os desafios atuais para a economia brasileira. Rio de Janeiro: Eduerj, 2010, v. 1, p. 231-256.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Cadeia produtiva da construção civil: cenários econômicos e estudos setoriais. Recife: SEBRAE, 2008.

______. Cenários prospectivos: o setor de construção no Brasil, de 2016 a 2018. Cenários e projeções estratégicas, construção civil, 2016. Sistema de inteligência de mercado. São Paulo: SEBRAE, 2016.

SINGER, P. O combate à crise pelo Governo Federal. Teoria e Debate, n. 81, 01 de março de 2009. Disponível em: https://teoriaedebate.org.br/2009/03/01/o-combate-a-crise-pelo-governo-federal/. Acesso em: 8 de fevereiro de 2022.

SOUZA, B.A. et al. Análise dos indicadores PIB nacional e PIB da indústria da construção civil. Revista de Desenvolvimento Econômico, Salvador, v. 17, n. 31, p. 140-150, jan./jun. 2015.

STIGLITZ, J. E. O mundo em queda livre: os Estados Unidos, o mercado livre e o naufrágio da economia mundial. Companhia das Letras. Edição do Kindle, 2010.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (TCU). Ações do Governo para reduzir os efeitos da crise. Brasília: TCU, 2009 (versão simplificada das Contas do Governo da República).

VAROUFAKIS, Y. O minotauro global: a verdadeira origem da crise financeira e o futuro da economia global. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

Downloads

Publicado

2022-06-03

Como Citar

Vargas, J., & Oliveira, M. E. G. de. (2022). Crise econômico-financeira mundial de 2008: contexto e efeitos sobre o setor da construção civil no Brasil (2003/2011). Revista Catarinense De Economia, 5(1), 13–27. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v5.n1.107

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.