ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL EM SANTA CATARINA: DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE MARCAS COLETIVAS CATARINENSES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v7.n1.141
Abstract views: 101 / PDF downloads: 36

Palavras-chave:

Desenvolvimento territorial, Sinais distintivos coletivos, Marcas coletivas, Distribuição espacial, Identidade territorial

Resumo

O desenvolvimento territorial tem se apresentado como alternativa à mudança do cenário econômico de diversos municípios localizados fora de grandes circuitos comerciais e que foram desfavorecidos pelos processos competitivos desencadeados na segunda metade do século XX. Dentre as estratégias de desenvolvimento, a valorização da identidade territorial por meio dos sinais distintivos coletivos se apresenta como uma oportunidade para gerar renda e estimular a economia local. Este trabalho tem como intuito apresentar um mapeamento das marcas coletivas existentes em território catarinense e que estejam em operacionalização comercial. Nesta perspectiva, o objetivo geral consiste em apresentar a distribuição espacial das marcas coletivas registradas em Santa Catarina, que estejam em circuitos comerciais, fornecendo um material inicial para futuras pesquisas sobre o tema. A pesquisa foi delineada como estudo exploratório, complementada por pesquisa bibliográfica, com coleta de dados em fontes primária e secundária. Os principais resultados do trabalho apontaram para a existência de 32 marcas coletivas, com efetiva operacionalização, distribuídas de maneira mais evidente nas mesorregiões do Oeste Catarinense (50%) e Norte Catarinense (21,9%). Na mesorregião do Vale do Itajaí encontram-se 12,5% das marcas coletivas estudadas. As mesorregiões Sul Catarinene e Serrana possuem o mesmo quantitativo de marcas coletivas em circuitos comerciais (6,3%). A mesorregião da Grande Florianópolis possui apenas uma marca coletiva (3%). A distribuição espacial mostra a concentração nas áreas mais distante dos grandes centros de comercialização, corroborando com a teoria. Mas ressalta-se que todas as mesorregiões apresentam pelo menos uma marca coletiva, o que indica que o tema tem espaço nas agendas regionais em Santa Catarina. Destaca-se que os municípios de São Miguel do Oeste, Chapecó e Joinville possuem mais de uma marca coletiva em seu território, o que pode gerar novas pesquisas para entender os fatores competivivos e a participação no mercado local. O estudo também demonstrou um grande desafio no que se refere à identificação do tema no território catarinense, o que abre espaço para pesquisas futuras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, P. M. S.; PEREIRA, M. M. M. R.; REGALADO, P.. Da teoria à prática: o caso da marca coletiva “Amorango” como estratégia de valorização da produção de morangos na região de Nova Friburgo, RJ. In: VIEIRA, A. C. P.; BRUCH, K. L. (Orgs.). Indicação geográfica, signos coletivos e desenvolvimento. São Paulo: Editora IBPI, 2015, p. 225-241. Acesso em: 15 de março de 2023.

BARBOSA, P. M. S.; VALENTE. M. E. R.. Considerações sobre sinais distintivos de uso coletivo: indicações geográficas, marcas coletivas e a possibilidade de valorização de uma coletividade. Incaper em Revista, Vitória, v. 11 e 12, p. 61-78, jan. 2020/dez. 2021. Disponível em: https://biblioteca.incaper.es.gov.br/digital/bitstream/123456789/4281/1/revista-artigo5-coletividade-barboza.pdf. Acesso em: 15 de março de 2023.

BENKO, G.; PECQUEUR, B.. Os recursos de territórios e território de recursos. Geosul, v. 16, n. 32, p. 32-50, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/14006. Acesso em: 18 de março de 2023.

CASTRO, A. V.; GIRALDI, E. J. M.. Estratégias de marcas para setores brasileiros: diferenças conceituais entre indicação geográfica, marca coletiva e setorial. Revista Espacios, 2018. Disponível em: http://www.revistaespacios.com/a18v39n33/18393308.html. Acesso em: 05 de novembro de 2022.

CAZELLA, A. A.; DORIGON, C.; PECQUER, B.. Da economia de escala à especificação de recursos territoriais: introdução ao dossiê “Desenvolvimento Rural e a Cesta de Bens e Serviços Territoriais”. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, 42(1), 1–21, 2022. Disponível em: http://raizes.revistas.ufcg.edu.br/index.php/raizes/article/view/797. Acesso em: 03 março de 2023.

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Regulamento (CE) no 510 de 20 de março de 2006. Relativo à protecção das indicações geográficas e denominações de origem dos produtos agrícolas e dos gêneros alimentícios. Jornal Oficial da União Europeia, n.L 093, p.12-25, 31 mar. 2006. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32006R0510&from=IT. Acesso em: 18 de março de 2023.

DALLABRIDA, V. R.. Da vantagem comparativa à vantagem diferenciadora: estratégias de especificação de ativos territoriais como alternativa de desenvolvimento. DRd-Desenvolvimento Regional em debate, v. 2, n. 1, p. 104-133, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5708/570862004007.pdf. Acesso em: 03 de março de 2023.

FONSECA, J. J. S.. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FARIA, R. S. V. de.. A marca coletiva como ferramenta de diferenciação de Arranjos Produtivos Locais – APLs: o caso do pólo de moda íntima de Nova Friburgo e Região – Brasil. 2011. 156 f. Dissertação (Mestrado em Propriedade Intelectual e Inovação) – Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2011.

HUINKA, M. T.. Marcas coletivas em território catarinense. Trabalho de Conclusão de Curso/Estágio Curricular Supervisionado. Orientadora Ivoneti da Silva Ramos. Udesc, Florianópolis, 2022.

INPI. Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Manual de marcas – edição 2017. Disponível em: http://manualdemarcas.inpi.gov.br/projects/manual/wiki/02_O_que_é_marca#22-Natureza>. Acesso em 04 de setembro de 2022.

MAPA. Ministério da Agricultura e Pecuária. Lista de IGs nacionais e internacionais registradas. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/indicacao-geografica/listaigs. Acesso em mar. 2023.

PECQUEUR, B.. Le tournant territorial de l’économie globale. Espaces et sociétés. N° 124-125, 2006, pp. 17 à 32. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/229027150_Le_tournant_territorial_de_l%27economie_globale. Acesso em 03 de setembro de 2022.

PORTO, P. C. da R.. As marcas de certificação e marcas coletivas como instrumento de inovação nas empresas nacionais. 2010. Disponível em https://www.dbba.com.br/wp-content/uploads/propriedade04.pdf. Acesso em 04 de setembro de 2022.

REGALADO, P. F.; TIMBÓ, C. S., ROIZMAN, M. B., BARBOSA, P. M. S.; FARIA,R. S. V.. Marcas coletivas: onde estamos e para onde queremos ir? In: V Encontro Acadêmico de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento, 2012, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://nbcgib.uesc.br/nit/ig/app/papers/0646282901133319.pdf. Acesso em: 04 de março de 2023.

RIBEIRO, A. C.; ANDION, C.; e BURIGO, F.. Ação coletiva e coprodução para o desenvolvimento rural: um estudo de caso do Colegiado de Desenvolvimento Territorial da Serra Catarinense. Revista de Administração Pública [online]. 2015, v. 49, n. pp. 119-140. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-76121685. Acesso em: 05 de novembro 2022.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. del P. B.. Metodologia de Pesquisa. Grupo A, 2013. E-book. ISBN 9788565848367. Disponível em: https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788565848367/. Acesso em: 03 de novembro de 2022.

SOUZA, L. M.; MARTINEZ, M. E. M.; SANTOS, M. J. C. dos.. Mapeamento das marcas coletivas registradas no Brasil. Proceeding of ISTI/SIMTEC – ISSN:2318-3403 Aracaju/SE – 25 to 27/09/ 2019. Disponível em: https://www.api.org.br/conferences/index.php/ISTI2019/ISTI2019/paper/viewFile/880/523. Acesso em: 15 de março de 2023.

SEBRAE e INPI. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Indicações geográficas brasileiras/Brazilian geographical indications/Indicaciones geográficas brasileñas (3a ed.). Brasília, DF: SEBRAE/INPI, 2011.

SEBRAE; INPI. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Indicações geográficas brasileiras/Brazilian geographical indications/Indicaciones geográficas brasileñas (4a ed.). Brasília, DF: /INPI, 2014.

TURNES, V.; CAZELLA, A. A.; PECQUEUR, B.; GUZZATTI, T. C.. Monitoramento de uma cesta de bens e serviços territoriais. RAIZES (UFPB), v. 42, p. 224-240, 2022. Disponível em: http://raizes.revistas.ufcg.edu.br/index.php/raizes/article/view/784. Acesso em 15 de março de 2023.

VIANNA, L. F. N.; PANDOLFO, C.; KROTH, L. T.; VIEIRA, H. J.; DORTZBACH, D.; GOULART JUNIOR, R.; GERBER, R. M.; KÖENE, T. T.; VIEIRA, V. F.; MELLO, M. A.. Indicações Geográficas e outros signos distintivos: conceitos, aplicações e adequação aos produtos agropecuários em Santa Catarina. Florianópolis, SC, 2021. 51p. (Epagri. Documentos, 336). Disponível em: https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/DOC/article/view/1145. Acesso em 10 de março de 2023.

Downloads

Publicado

2024-02-24

Como Citar

Ramos, I. da S., Huinka, M. T., & Turnes, V. A. (2024). ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL EM SANTA CATARINA: DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE MARCAS COLETIVAS CATARINENSES. Revista Catarinense De Economia, 7(1), 35–44. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v7.n1.141

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.