Determinantes da mortalidade de empresas em Santa Catarina: o papel da inadimplência

Autores

  • Bruno T. Tomio Universidade Regional de Blumenau (FURB)
  • Johnny W. Monteiro Universidade Regional de Blumenau (FURB)
  • Franklin C. Zummach Universidade Regional de Blumenau (FURB)

DOI:

https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v1.n1.5
Abstract views: 254 / PDF downloads: 203

Palavras-chave:

mortalidade de empresas, inadimplência, Santa Catarina

Resumo

O desempenho das empresas catarinenses tem sido comprometido por diversos fatores que, em última instância, causam a mortalidade desses empreendimentos. Na literatura atual, abordam-se, principalmente, os determinantes da mortalidade de empresas sob as óticas dos fatores de gestão da empresa e dos fatores macroeconômicos. Neste artigo, objetiva-se expandir essa literatura investigando o papel da inadimplência de pessoas físicas e jurídicas na mortalidade de empresas em Santa Catarina. O período abordado inicia em janeiro de 2013 e finaliza em dezembro de 2016, compreendendo 48 meses. Com base em um modelo econométrico de séries temporais, encontra-se que a inadimplência, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas, tem efeitos estatisticamente significativos no fechamento de empresas em Santa Catarina. Por um lado, no caso da inadimplência de pessoas físicas, o modelo estimado aponta efeitos positivo e negativo (número de famílias que possuem contas em atraso e não terão condições de pagá-las, e, número de famílias que estão inadimplentes, respectivamente). Por outro lado, estima-se que a inadimplência de pessoas jurídicas, que é mensurada pelas operações de crédito de empresas e/ou organizações registradas no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), relaciona-se positivamente com a mortalidade de empresas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

Tomio, B. T., Monteiro, J. W., & Zummach, F. C. (2017). Determinantes da mortalidade de empresas em Santa Catarina: o papel da inadimplência. Revista Catarinense De Economia, 1(1), 52–71. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v1.n1.5

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.