DESIGUALDADE DE GÊNERO E MERCADO DE TRABALHO EM SANTA CATARINA NO CONTEXTO DA PANDEMIA DE COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v6.n2.140
Abstract views: 120 / PDF downloads: 48

Palavras-chave:

Desigualdade de gênero, Mercado de trabalho, Economia catarinense

Resumo

A desigualdade entre mulheres e homens sempre esteve presente em todas as esferas da sociedade, mas a crise econômica sanitária produzida pela pandemia de COVID-19 alavancou essa problemática, expondo as mulheres a um sistema de dupla jornada infindável nos lares brasileiros. O fato de a mulher ser a principal responsável pela manutenção do maior sistema econômico do mundo (capitalismo) deveria torná-la centro desse sistema, com garantias civis e econômicas estritamente definidas, mas o que acontece é o oposto: o mainstream econômico subjuga a mulher a posições inferiores, produzindo e reproduzindo condições de subalternidade em razão de sua necessária dedicação à reprodução e aos cuidados que a permeiam. De encontro a essas concepções se insere a Economia Feminista, principal responsável pelas críticas à ortodoxia econômica e à divisão sexual do trabalho. É nesse contexto que este artigo se insere, perpassando um recorte pelo estado catarinense que possui alguns dos melhores indicadores socioeconômicos do Brasil. Compreender em qual espaço econômico a mulher catarinense está inserida e quais as configurações do mercado de trabalho catarinense para homens e mulheres é o principal objetivo desta pesquisa. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua é a principal fonte de dados do estudo, considerando um panorama pré e pós-pandêmico que afetou sobremaneira as mulheres. Os principais achados não são novidade: embora o estado esteja entre os melhores em qualidade de vida do país, as catarinenses enfrentam os mesmos problemas de outras brasileiras: salários desiguais, profissões estereotipadas, maior taxa de desocupação, menor ocupação de espaços de decisão e sobrecarga de afazeres domésticos. Enquanto isso, são mais escolarizadas que os homens, são maioria em idade para trabalhar e possuem a melhor taxa de ocupação nacional. Isso mostra que os problemas enfrentados pelas mulheres são quase que universais, atribuídos pelo fato de nascer e de ser mulher, de sustentar todo um sistema econômico que a relega ao espaço privado do lar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ATLAS BRASIL. Ranking. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/ranking. Acesso em 17 fev. 2023.

BENGOA, Cristina Carrasco. A economia feminista: Um panorama sobre o conceito de reprodução. Temáticas, Campinas, 26, (52): 31-68, ago./dez. 2018 . Disponível em: DOI 10.20396/temáticas.v26i52.11703.

BOHN, Liana; CATELA, Eva. Há economia feminista na ciência econômica brasileira?: Avaliação da produção científica da área entre 1990 e 2015. ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL, v. 20, 2017.

BONIFÁCIO, Denise. Após pandemia, mulheres enfrentam ainda mais dificuldade para retornar ao mercado de trabalho. Jornal da USP, 2022. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/apos-pandemia-mulheres-enfrentam-ainda-mais-dificuldade-para-retornar-ao-mercado-de-trabalho/. Acesso em 27 ago. 2023.

BORTOLUZZO, Adriana Bruscato; MATAVELLI, Ieda Rodrigues; MADALOZZO, Regina. Determinantes da Distribuição da (Des) igualdade de Gênero entre os Estados Brasileiros. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 46, p. 161-188, 2016.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome. Auxílio Emergencial 2021. Disponível em: https://www.gov.br/cidadania/pt-br/acoes-e-programas/covid-19/transparencia-e-governanca/auxilio-emergencial-1/auxilio-emergencial-2021. Acesso em: 17 fev. 2023.

BURCHELL, B.; HARDY, V. B.; RUBERY, J.; SMITH, M. A new method to understand occupational gender segregation in European labour markets. European Comission. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2014.

CAFFENTZIS, George. On the Notion of a Crisis of Social Reproduction: A Theoretical Review. In: DALLA COSTA, Mariarosa; DALLA COSTA, Giovanna F. (eds.) Women, Development and Labor of Reproduction. Eritrea: Africa World Press, 1999.

CARDOSO, Luiz Felipe Felisardo. Refletindo os Conceitos Gênero e Sexo em Dicionários. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 20, n. 2, p. 187-191, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.17921/2447-8733.2019v20n2p187-191. Acesso em 18 jul. 2022.

CARLOTO, Cassia Maria. O conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. Serviço social em revista, Londrina, v. 3, n. 2, p. 201-213, 2001. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/ssrevista/c_v3n2_genero.htm. Acesso em 18 jul. 2022.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE (CEPAL). Observatório de Igualdade de Gênero da América Latina e do Caribe. Santiago, [2022?]. Disponível em: https://oig.cepal.org/pt/indicadores/indice-feminidade-da-pobreza. Acesso em: 07 out. 2022.

COUNTRY METERS. Population of the world and countries. Disponível em: https://countrymeters.info/en. Acesso em: 30 ago. 2022.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIECONÔMICOS (DIESSE). Brasil: Inserção das mulheres no mercado de trabalho. São Paulo, 2022. Disponível em: https://www.dieese.org.br/infografico/2022/mulheresBrasileRegioes.html. Acesso em 23 jan. 2023.

DE CASTRO, Bruna; RAMUNDO STADUTO, Jefferson Andronio; DE MEDEIROS NITZSCHE KRETER, Ana Cecília. Wage differences by occupation between men and women in Brazil. Gestão e Regionalidade, v. 38, n. 114, 2022.

ELICABIDE, Laura Carla Moisá; MORENO, Suelen Emilia Castiblanco. emprego informal na américa do sul: uma análise com perspectiva de gênero. In: LEONE, Eugenia Troncoso; PRONI, Marcelo Weishaupt. Facetas do Trabalho no Brasil Contemporâneo. Curitiba: CRV | Campinas, São Paulo: Unicamp. IE, 2021. (Coleção Centros e Núcleos). p. 221-238.

FERBER, M.; NELSON, J. (ed.). Beyond economic man: feminist theory and economics. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

FERNANDEZ, Brena Paula Magno. Teto de vidro, piso pegajoso e desigualdade de gênero no mercado de trabalho brasileiro à luz da economia feminista: por que as iniquidades persistem? Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais, n. 26, p. 79-104, 2019.

___. Economia Feminista: uma proposta epistemológica em defesa do pluralismo. In: FERNANDEZ, Brena Paula Magno; BOHN, Liana. Economia Feminista: Uma antologia. Florianópolis: Peregrinas, 2022. 1 ebook kindle, 3935KB.

NERI, Marcelo. FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Mapa da Nova Pobreza. FGV. 2022. Disponível em: https://www.cps.fgv.br/cps/bd/docs/Texto-MapaNovaPobreza_Marcelo_Neri_FGV_Social.pdf. Acesso em: 19 fev. 2023.

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL. Os ganhos econômicos da inclusão de gênero: bem maiores do que você imaginava. Disponível em: https://www.imf.org/pt/Blogs/Articles/2018/11/28/blog-economic-gains-from-gender-inclusion-even-greater-than-you-thought. Acesso em: 20 jul. 2022

GALA, Paulo.; ROMERO, João. O que é Ortodoxia, Heterodoxia e Pluralismo em Economia? 2020. Disponível em: https://www.paulogala.com.br/o-que-e-ortodoxia-heterodoxia-e-pluralismo-em-economia/. Acesso em: 30 ago. 2022.

GORAYEB, Daniela S.; FERREIRA, Adriana Nunes.; FONSECA, Camila Veneo C.; FILLETI, Juliana de P.; CAJUEIRO, Juliana P. M. Mulheres no mercado de trabalho no contexto da crise econômico-sanitária de 2020: saída da força de trabalho e indispobilidade. In: LEONE, Eugenia Troncoso; PRONI, Marcelo Weishaupt. Facetas do Trabalho no Brasil Contemporâneo. Curitiba: CRV | Campinas, São Paulo: Unicamp. IE, 2021. (Coleção Centros e Núcleos). p. 221-238.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/ods/ods5.html. Acesso em: 17 fev. 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Segundo Trimestre de 2022. https://painel.ibge.gov.br/pnadc/. Acesos em: 10 out. 2022.

___. PNAD Contínua: Painel. Diposnível em: https://painel.ibge.gov.br/pnadc/. Acesso em: 20 fev. 2023.

___. IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) (2020), “Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios Continua 2022 – PNADC” [base de microdados online]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=destaques. Acesso em 17 fev. 2023.

___. PNAD Contínua – Divulgação Trimestral. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadct. Acesso em: 17 fev. 2023.

___. Conceitos e Métodos: Metadados : PNAD Contínua – 3º trimestre de 2022. Disponível em: https://metadados.ibge.gov.br/consulta/estatisticos/operacoes-estatisticas/DD. Acesso em: 17 fev. 2023.

___. Projeção da população do Brasil e das Unidades de Federação. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/. Acesso em: 20 fev. 2023.

KREIN, José Dari; CASTRO, Barbara. As formas flexíveis de contratação e a divisão sexual do trabalho. In: LEONE, Eugenia Troncoso; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane Oliveira. Mundo do trabalho das mulheres ampliar: direitos e promover a igualdade. Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres / Campinas, SP: Unicamp. IE. Cesit, jun. 2017. p. 107-124.

LEONE, Eugenia Troncoso. Os impactos do crescimento econômico com inclusão social na participação das mulheres no mercado de trabalho. In: LEONE, Eugenia Troncoso; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane Oliveira. Mundo do trabalho das mulheres ampliar: direitos e promover a igualdade. Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres / Campinas, SP: Unicamp. IE. Cesit, jun. 2017. p. 13-28

LERNER, Gerda. A criação do patriarcado: história de opressão das mulheres pelos homens. Tradução de Luiza Sellera. São Paulo: Cultrix, 2019. ebook kindle, 5514KB p. 8-35.

MATTEI, Lauro. Núcleo de estudos de economia catarinense. 2021. Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://necat.ufsc.br/santa-catarina-possui-um-dos-maiores-diferenciais-de-renda-entre-homens-e-mulheres-do-pais/. Acesso em: 19 fev. 2023.

MENEZES, Débora Peres. Revista FAPESC, Santa Catarina. Edição 01, Ano I. p. 13-19, mar. 2022. Entrevista.

MINISTÉRIO PÚBLICO DE SANTA CATARINA. Colégio de Procurados de Justiça: Composição. Disponível em: https://www.mpsc.mp.br/colegio-de-procuradores-da-justica/composicao. Acesso em: 20 fev. 2023.

MONTALI, Lilia. Mudanças na família, no mercado de trabalho e nos arranjos familiares. In: LEONE, Eugenia Troncoso; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane Oliveira. Mundo do trabalho das mulheres ampliar: direitos e promover a igualdade. Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres / Campinas, SP: Unicamp. IE. Cesit, jun. 2017. p. 39-66.

MOVIMENTO NACIONAL ODS SANTA CATARINA: ODS 5 – Igualdade de Gênero. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadct. Acesso em: 20 fev. 2023.

OBSERVATÓRIO DAS DESIGUALDADES. As desigualdades de gênero no serviço público. 2021. Disponível em: http://observatoriodesigualdades.fjp.mg.gov.br/?p=1548. Acesso em: 04 abr. 2022.

OLIVERA, Margarita; VIEIRA, Clarice; BAETA, Fernanda. Mulheres no mercado de trabalho brasileiro: uma análise das segregações e discriminações a partir da economia feminista. td Instituto de Economia. ie/ufrj. 2021. Disponível em: https://www.ie.ufrj.br/images/IE/TDS/2021/TD_IE_018_2021_OLIVERA_VIEIRA_BAETA.pdf. Acesso em 20 out. 2022.

PORTILHO, Luciana; LEONE, Eugenia Troncoso. A Segregação de gênero nas ocupações que exigem nível superior de educação. In: LEONE, Eugenia Troncoso; PRONI, Marcelo Weishaupt. Facetas do Trabalho no Brasil Contemporâneo. Curitiba: CRV | Campinas, São Paulo: Unicamp. IE, 2021. (Coleção Centros e Núcleos). p. 239-254.

RODRÍGUEZ ENRÍQUEZ, Corina Maria. Economía feminista y economía del cuidado: Aportes conceptuales para el estudio de la desigualdad. 2015. Disponível em: https://ri.conicet.gov.ar/handle/11336/47084. Acesso em: 29 out. 2022.

SANTA CATARINA. Portal do Estado de Santa Catarina. Disponível em: https://estado.sc.gov.br/. Acesso em: 19 fev. 2023.

___. Indicadores educacionais catarinenses: Atualização outubro 2022. Disponível em: https://online.anyflip.com/dgybz/fdkh/mobile/. Acesso em: 17 fev. 2023.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO À MICROS E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE). Data MPE Brasil: Santa Catarina. Disponível em: https://datampe.sebrae.com.br/profile/geo/santa-catarina?categoryOccupation=sexOption&categoryOccupationEvolution=sectorOption&diversityOptions=educationOption&indicatorOccupation=salaryAvgOption&indicatorOptionsTrends=indicatorsOption_1&valueOccupationDistribution=indicatorOption. Acesso em: 20 fev. 2023.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira. O que gera e perpetua a segregação, a discriminação e as desigualdades salariais. In: LEONE, Eugenia Troncoso; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane Oliveira. Mundo do trabalho das mulheres ampliar: direitos e promover a igualdade. Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho. São Paulo: Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres / Campinas, SP: Unicamp. IE. Cesit, jun. 2017. p. 67-90.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira.; ALEGRI, Thaís. A poderosa mão invisível dos cuidados: produção e reprodução em tempos de crise. In: LEONE, Eugenia Troncoso; PRONI, Marcelo Weishaupt. Facetas do Trabalho no Brasil Contemporâneo. Curitiba: CRV | Campinas, São Paulo: Unicamp. IE, 2021. (Coleção Centros e Núcleos). p. 271-284.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira. A pandemia do coronavírus e os seus efeitos sobre as mulheres trabalhadoras. SEMPREVIVA ORGANIZAÇÃO FEMINISTA (SOF). [2020]. Disponível em: https://mulheresnapandemia.sof.org.br/efeitos-pandemia-mulheres-trabalhadoras/. Acesso em 27 ago. 2023.

UNITED NATIONS POPULATION FUND. Gender equality. Disponível em: https://www.unfpa.org/gender-equality. Acesso em: 16 out. 2022.

WELTERS, Angela. Questões de gênero no Brasil contemporâneo. In: SALOMÃO, Ivan Colangelo; CORREIA, Fernando Motta. VALE, Vinicius de Almeida (org.). O Brasil no século XXI. 75 anos Departamento de Economia - DEPECON. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, PR. Edição independente. 2022.

WORLD ECONOMIC FORUM. Global gender gap report. 2021. Disponível em: https://www3.weforum.org/docs/WEF_GGGR_2021.pdf. Acesso em: 29 out. 2022.

ZIMMERMANN, Tânia Regina; VICENTE, Joselia Aparecida Pires; MACHADO, Aline Alves. Análise de gênero a partir da economia do cuidado em tempos de pandemia: estudo de caso de mulheres-cuidadoras de crianças em CEMEI. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 3, p. 26092-26112, 2021. Disponível em: https://ojs.brazilianjournals.com.br/ojs/index.php/BRJD/article/view/26358. Acesso em 27 ago. 2023.

Downloads

Publicado

2023-10-04

Como Citar

Bueno, A. do P., & Lobato Torres, R. . (2023). DESIGUALDADE DE GÊNERO E MERCADO DE TRABALHO EM SANTA CATARINA NO CONTEXTO DA PANDEMIA DE COVID-19. Revista Catarinense De Economia, 6(2), 2–15. https://doi.org/10.54805/RCE.2527-1180.v6.n2.140

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.